Facebook
Twitter
Youtube
Flickr

Notícias

Brasileiros estão parados na calmaria da Transat Jacques Vabre

Barco Zetra não andou nem 200 quilômetros em 24 horas na passagem pelos Doldrums
Data de inclusão: 12/11/2015 16:22

''Está uma tortura isso aqui'', disse o brasileiro Renato Araújo sobre a passagem pelos Doldrums do Oceano Atlântico, um dos pontos mais importantes do percurso Transat Jacques Vabre. Enfrentar a calmaria próxima à Linha do Equador é obrigatória para todos os barcos que disputam a maior travessia transatlântica do mundo. Mas o ponto, que chegou a ser chamado de Latitude dos Cavalos no passado - barcos mercantes jogavam os animais na água por falta de ração durante o marasmo - está se tornando uma pedra no sapato do veleiro Zetra, o primeiro 100% brasileiro da história da regata. Em 24 horas, o campeão olímpico Eduardo Penido e o empresário Renato Araújo andaram menos de 200 quilômetros. ''Foi uma noite estressante. Mudamos de direção mais de 20 vezes para tentar pegar vento. Sem contar a chuva que não parou'', relatou Renato Araújo.

Os Doldrums também são encontrados nos oceanos Pacífico e Índico. A zona de convergência intertropical registra ventos calmos em quase todo o dia, mas rajadas fortes aparecem sem aviso prévio e sem direção. A navegação fica confusa e o trabalho a bordo aumenta consideravelmente. ''Ainda bem que é um barco. Se fosse avião tinha caído''., contou Eduardo Penido.

O Zetra segue na sexta colocação na Class40 e deve concluir o percurso até Itajaí no dia 23 de novembro. ''O pessoal que estava atrás chegou e a gente está na expectativa de sair logo daqui. Nos Doldrums pegamos 90% do dia sem vento nenhum, depois vem uma ventania. Esperamos sair dessa região esquisita até a sexta-feira (13)'', contou Renato Araújo. ''Saindo daqui será uma nova largada. O traçado até Itajaí será uma linha reta passando por Noronha''.

Pegar o líder da Class40 é uma possibilidade quase nula para os brasileiros, que encaram a regata pela primeira vez. O objetivo é tentar diminuir a distâncias para o quinto colocado e não deixar os que estão atrás encostar. A largada da Transat Jacques Vabre ocorreu em 25 de outubro com 42 barcos, mas 17 ficaram pelo caminho.

Os campeões de três classes já foram conhecidos na regata: FenêtréA Prysmian (Multi50), PRB (IMOCA) e Macif (IMOCA).

Sobre a TJV2015

A regata, que é disputada em duplas, larga sempre da cidade portuária de Le Havre, na Normandia, com destino a um país produtor de café, característica que lhe rendeu o apelido de "Rota do Café". Já tendo passado por cidades como Cartagena (Colômbia), Puerto Limon (Costa Rica) e Salvador (BA) em 11 edições, essa será a segunda vez que a competição terá a cidade catarinense como chegada. Em 2013, a regata reuniu mais de 590 mil visitantes nas duas Vilas da Regata (Le Havre e Itajaí).
 

Imagens relacionadas

Brasileiros estão parados na calmaria da Transat Jacques Vabre
Brasileiros estão parados na calmaria da Transat Jacques Vabre
Brasileiros estão parados na calmaria da Transat Jacques Vabre
Brasileiros estão parados na calmaria da Transat Jacques Vabre
Facebook
Twitter
Youtube
Flickr
Todos os direitos reservados © 2019 - Município de Itajaí